Esta Matéria não tem vídeo
Deputado estadual João Henrique (PL-MS)
Deputado estadual João Henrique (PL-MS)
Esta Matéria não tem 
vídeo

 

Liberal comemora

aprovação de projetos na
Assembleia Legislativa de MS


Mato Grosso do Sul - O deputado estadual João Henrique (PL-MS) comemorou, na última terça-feira, 20, duas grandes vitórias. A primeira delas refere-se ao projeto de resolução apresentado e que pretende alterar o regimento interno da Assembleia Legislativa, proibindo o uso da tribuna por representantes da sociedade civil que não tenham previamente solicitado, através de requerimento feito a um parlamentar, o uso da mesma.

O projeto de resolução já vinha causando polêmica desde a sua apresentação no plenário e posterior discussão na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR). Na ocasião, João Henrique, que é um dos integrantes da comissão, pediu vistas ao projeto e emitiu um parecer contrário à tramitação do mesmo, alegando que a “voz do Povo é soberana e não pode ser calada”. E hoje, na tribuna, reforça seu posicionamento, com um discurso incisivo sobre o tema.

“Nas campanhas fomos inúmeras vezes incitados a responder qual seria a forma de aumentar e trazer a voz das ruas, a participação popular para dentro dessa Augusta Casa de Leis. E o que estamos fazendo neste momento? Eu lamento e tenho vergonha de ter que votar algo tão espúrio e tirano, além do retrocesso, ilegalidade, inconstitucionalidade e, para aqueles que tiverem dúvidas jurídicas, no mínimo prevalece a falta de bom senso”, ressaltou o liberal.

O parlamentar acrescentou que o “Povo mesmo tem sangue e cicatriz. Gente sofrida cujo cotidiano duro mostra a verdade arrebatadora que apenas a privação e a invisibilidade exibem. É dessa vitamina que a democracia se energiza. Democracia é sangue, suor e lágrimas. E esse povo comum tem demandas. Demandas que não podem ser negligenciadas, sob pena de, como água represada, destruir barragens e alagar o amanhã para sempre”.

Recordando –se de lições deixadas por grandes estadistas, o deputado citou algumas delas em seu discurso. Segundo ele, um dos maiores Presidentes que este país já teve, o mineirinho Juscelino Kubitschek de Oliveira, não conseguiu iniciar seu discurso em uma solenidade no Rio de Janeiro devido às vaias. “Ele não desistiu e permaneceu no palanque; calou-se, ouviu as vaias até quando os que o vaiaram cansaram. Com humildade ele pegou o microfone e gritou: Feliz a nação que pode vaiar o seu Presidente!“. Lembrou que Juscelino foi aplaudido ininterruptamente e saiu carregado nos braços do povo que o alçou e legitimou a ser um verdadeiro mito.

Nelson Mandela é outro que foi citado pela importância que sempre deu ao povo. “De punho cerrado diante da multidão, gritava: "Amandla!", o povo respondia eletrizado: "Ngawethu!". Nas línguas bantas, Amandla quer dizer "Poder". "Ngawethu"significa "para o povo".

O deputado finalizou sua fala na tribuna ao destacar que não podemos esquecer que o povo é o poder. “O preâmbulo da Constituição se abre com a expressão ‘Nós, representantes do povo brasileiro’. O parágrafo único do art. 1 assenta que ‘todo o poder emana do povo’. O art. 14 imortaliza a ‘soberania popular’. O art. 78, ao narrar o compromisso a ser prestado pelo presidente e o vice-presidente da República, cita o dever de ‘promover o bem geral do povo brasileiro’. Sim, o povo é o poder.”

Logo após, o deputado Gerson Claro, um dos coautores do projeto, pede a retirada da pauta, alegando que havia se instalado uma confusão acerca do tema e que o mesmo deveria ser “melhor discutido”. Com base em todo seu conhecimento do regimento interno, João alerta o presidente da ALMS, deputado Paulo Corrêa, que a retirada só pode ser feita por escrito.

“Nós trabalhamos com a habilidade no regimento para que houvesse a votação, para que se encerrasse essa discussão e este projeto não pudesse mais ser reapresentado. Particularmente, trabalhei muito com o nosso regimento, estudando, tentando manter o projeto na pauta de hoje, mas infelizmente acabou sendo retirado. Mas enfraqueceu. Eu acho que os debates têm que ser feitos no plenário, as pessoas querem ver a gente discutindo, apresentando todos os argumentos”, explica o deputado.

O projeto foi retirado por escrito, emergencialmente. Agora o texto segue para nova discussão futura, podendo receber emendas ou até mesmo ser engavetado. “Infelizmente isso não impede que o mesmo retorne para votação muito em breve”, lamenta João Henrique.

Aprovação de Projeto de Lei

Outra grande conquista foi a aprovação, em segunda discussão, de um projeto que cumpre uma promessa feita em campanha, instituindo o Cadastro Estadual de Pessoas com Deficiência, denominado ‘Cadastro-Inclusão’, que consiste em um registro público eletrônico com a finalidade de coletar, processar, sistematizar e disseminar informações georreferenciadas que permitam a identificação e a caracterização socioeconômica da pessoa com deficiência, bem como das barreiras que impedem a realização de seus direitos.

O Projeto de Lei (PL) 20/2019, apresentado pelo parlamentar, prevê que as informações do cadastro resultarão da “integração dos sistemas de informação e da base de dados de todas as políticas públicas relacionadas aos direitos da pessoa com deficiência, bem como por informações coletadas, inclusive em censos estaduais, nacionais e nas demais pesquisas realizadas no Estado”.

Segundo João, o Estado do Mato Grosso do Sul não tem informações precisas sobre as pessoas com deficiência, pois os dados estatísticos disponíveis originam-se dos censos populacionais. “Sendo assim, não é possível definir com precisão onde vivem e quais as necessidades das pessoas com deficiência, informações vitais para que se possam planejar políticas específicas para esse público-alvo”, afirma.

“A criação do Cadastro da Pessoa com Deficiência possibilitará a coleta e difusão de dados confiáveis e atualizados, que refletirão as demandas verdadeiras desse segmento populacional, inclusive com a identificação de seus territórios e das restrições que vivenciam para o exercício de seus direitos básicos de cidadania, especialmente o direito à acessibilidade, que é essencial para a plena participação social”, acrescenta.

O Projeto de Lei visa promover maior visibilidade das dificuldades e demandas enfrentadas pelas pessoas com deficiência. Segundo João Henrique, a obtenção de dados fidedignos, de alcance estadual, possibilitará que os formuladores de políticas públicas destinadas a esse importante contingente populacional determinem ações mais eficazes e efetivas, uma vez que estarão calcadas em informações que refletem a realidade econômica e social experimentada pelas pessoas com deficiência.

A proposta, aprovada por unanimidade dos parlamentares estaduais presentes na sessão de hoje, vai agora à redação final por ter sofrido emendas.



Fonte: Assessoria de imprensa do deputado




Provérbios LIBERAR O CMOMÉRCIO DE ARMAS DE FOGO

 
   
 
 
 
 
<
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados
Tel.: - (61) 32029922
SHS Quadra 06 Bloco "A" Conjunto "A" Sala 903
Centro Empresarial Brasil 21 Asa Sul - CEP: 70316-102 Brasília - DF
 
       
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados

Site e Conteúdos Desenvolvidos, Produzidos e sob Responsabilidade da LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing
Tel.: (61) 3202-9922
SHIN CA 09 Lt. 16 Sala 115 -  Edf. Greeen Hills
Lago Norte - CEP: 71503-509
TV-PR: Tiririca está entre os 10 melhores deputados segundo pesquisa
TV-PL: Líder Liberal rechaça tese do "toma lá dá ca" em entrevista 
Manual de Prestação de Contas da Campanha eleitoral de 2018
Nova Presidente do PL Mulher
Presidente do Partido Liberal, Tadeu Candelária (PL-SP)
Veja aqui todos os nossos vídeos e nossas reportagens

Secretaria de Comunicação do Partido Liberal
Deputados Federais do Partido Liberal da 56ª Legislatura
Senadores do Partido Liberal Veja todas Notícias no Facebook Veja nossos Vídeos no Youtube
  <area shape= Veja nossos Vídeos no Youtube Veja nossos Vídeos no Youtube veja as notícias no Twitter
veja as notícias no Instagram